Notícias - Agroecologia

HortaÉ nesta época do ano que começamos a nos preocupar com o preparo da nossa horta. Antes de iniciar uma horta devemos planejar e decidir a localização do terreno para que este esteja localizado onde tenha água a disposição. Depois de decidido a localização é o momento que podemos começar a adubar a nossa horta, levando em consideração o adubo orgânico que geralmente está à disposição em nossa casa.

Os adubos orgânicos são resíduos animais (esterco, urina) ou vegetais (folhas, palhas      e outros), podendo ser usados na forma líquida ou sólida. Os adubos orgânicos contém nutrientes, como nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio e micro-nutrientes, especialmente cobre e zinco que são elementos importantes para a horta.

É da vida que existe dentro do solo que depende toda vida que existe sobre o solo, ou seja, o solo é a base mais importante da produção, tanto vegetal quanto animal. Podemos  comparar o solo com uma fábrica, onde trabalham dia e noite milhões de organismos vivos. Assim, a matéria orgânica produzida é a principal fonte de energia destes organismos, sendo, portanto, considerada a “alma” do solo, pois oferece condições de crescimento a diversificação das espécies benéficas (minhocas, besouros, fungos, bactérias ) que existem no solo, proporcionando uma relação mais equilibrada entre as populações de cada espécie. Além disso, melhora  a resistência das plantas, pois  aumenta bastante a capacidade do solo em armazenar água, diminuindo os efeitos da seca. Também é importante misturar bem essa adubação com a terra do canteiro.

Ao fazer os canteiros, devemos optar, preferencialmente, por canteiros não muito elevados, para que as culturas plantadas tenham mais contato com a umidade encontrada no solo. A semeadura das verduras e dos legumes pode ser feita diretamente no canteiro e em linhas, facilitando desta forma, o manejo das hortaliças. Depois que as hortaliças nascem devemos ter o cuidado de analisar a quantidade de mudas, tomando o cuidado para que elas não estejam muito perto uma das outras. Em havendo necessidade, devemos fazer o desbaste (tirar as mudas que estiverem em excesso).
Ao contrário do que muitos pensam, a presença das ditas ervas daninhas na horta desempenham aspectos  importantes. Devemos deixar uma parte delas na horta, pois são elas que vão proteger as hortaliças do sol e, além disso, servem para o combate de pragas e doenças. O único cuidado que se deve ter é de que sejam controladas quando estas atingirem um tamanho superior ao da cultura que está se cultivando, pois isso significa que a erva daninha estará competindo com a cultura.

Para um bom desenvolvimento das hortaliças, quando estas atingirem um tamanho um pouco maior, podemos fazer uma adubação direta através de uma covinha entre as linhas e colocar um pouco de esterco de gado crú diluído em água. Este processo proporciona um desenvolvimento mais rápido da planta. Porém, devemos ter cuidado para realizar este processo somente pela tardinha e evitaro contado do produto com as folhas das hortaliças. Caso contrário, é possível que as folhas sejam queimadas.

Além de todos os cuidados acima mencionados, as hortaliças devem ser molhadas diariamente pela manhã e pela tardinha para que as mesmas possam obter um bom desenvolvimento e para que elas não percam as energias, proteínas e acabem morrendo.

No manejo da horta também é de fundamental importância fazer a rotação de culturas,  tendo o cuidado para não realizar o plantio sucessivo de uma mesma cultura e, também devemos ter o cuidado para não efetuar o plantio de hortaliças da mesma família. A rotação de culturas desempenha um papel muito importante na produção, pois ela reduz a chance de aparecerem pragas ou doenças e aproveita melhor os nutrientes disponíveis.

Para que o manejo da horta seja realizado com sucesso recomenda-se o uso de “Super Magro” que é um biofertilizante orgânico utilizado como adubo foliar,  protegendo as plantas, acelerando o desenvolvimento das mesmas e, posteriormente, aumentando a produção. Na horta podemos utilizar também a “calda bordalesa “que é um tradicional fungicída agrícola, resultado da mistura simples de sulfato de cobre, cal hidratado ou cal virgem e água. Além da ação fungicída, fortalece as folhagens e fornece nutrientes importantes para as plantas de forma preventiva. Podemos usar também a “calda sulfocálcica” que obtida através da cal virgem, enxofre em pó e água  tem ação protetora contra ácaros, insetos-pragas e moléstias de forma curativa.

Sobretudo, quando falamos em manejo de horta, estamos nos referindo a alimentos que vão diretamente à nossa mesa e, por isso, devemos ter todo o cuidado na sua produção evitando todo e qualquer tipo de adubação química ou agrotóxicos. É preciso que estejamos atentos (as) a segurança alimentar de nossas famílias.